sábado, 30 de março de 2019

Cientistas descobrem que pouco tempo atrás Marte era coberto de gigantescos rios e lagos !

Marte era coberto de gigantescos rios e lagos, descobrem cientistas
Marte é atravessado por trilhas distintas de grandes rios extintos, mas ainda não sabemos como eram alimentados pelo clima. Os cientistas não têm certeza, porque a compreensão deles sobre o clima de Marte há bilhões de anos permanece incompleta.

As naves espaciais da NASA, em órbita do planeta, tiraram fotos de centenas desses rios e, quando o jipe-sonda Curiosity de Marte pousou em 2012, enviou imagens de pedregulhos arredondados – esculpidos no fundo de um rio extinto. Uma foto marcada de um canal preservado do rio, tomada pela Mars Reconnaissance Orbiter da NASA, é mostrada acima, com cor sobreposta para indicar elevação (azul é baixo, amarelo é alto). O alcance da elevação na cena é de aproximadamente 35 metros.

Em 2013, cientistas planetários da Agência Espacial Européia (ESA) divulgaram imagens em 3D obtidas acima da “parte superior da região de Vallis Reull, em Marte”, que revelou um rio de 1.500 quilômetros de extensão, partindo do Planalto Promethei Terra para a vasta bacia da Hellas.

Este rio era enorme. Os dados de imagem da sonda Mars Express da ESA mostram que, em alguns pontos, o leito do rio tem 7 km de largura e 300 metros de profundidade. As câmeras estéreo a bordo do satélite também revelaram “numerosos afluentes” que alimentavam o gigantesco rio.
Um novo estudo realizado por cientistas da Universidade de Chicago catalogou esses rios para concluir que um escoamento significativo de rios persistiu em Marte mais tarde em sua história do que se pensava anteriormente. Segundo o estudo, publicado em 27 de março na Science Advances, o fluxo fluvial foi intenso – os rios em Marte eram mais largos do que os da Terra hoje – e ocorreram em centenas de locais no planeta vermelho.

Isso complica o quadro para os cientistas que tentam modelar o antigo clima marciano, disse o principal autor do estudo, Edwin Kite, professor assistente de ciências geofísicas e especialista tanto na história de Marte quanto em climas de outros mundos.

Ele disse:

Já é difícil explicar rios ou lagos com base nas informações que temos.

Isso dificulta ainda mais um problema já difícil.

Mas, disse ele, as restrições podem ser úteis para analisar as muitas teorias que os pesquisadores propuseram para explicar o clima.

É um enigma, porque o antigo Marte tinha água líquida. Marte tem uma atmosfera extremamente fina hoje, e no início da história do planeta, também recebia apenas um terço da luz solar da Terra atual, que não deveria ser calor suficiente para manter a água líquida.

Kite disse:

De fato, mesmo em Marte antigo, quando estava molhado o suficiente para ter rios o tempo todo, o resto dos dados parece mostrar que Marte era extremamente frio e seco a maior parte do tempo.

Buscando uma melhor compreensão da precipitação marciana, Kite e seus colegas analisaram fotografias e modelos de elevação de mais de 200 antigos leitos de rios marcianos, abrangendo mais de um bilhão de anos. Esses leitos de rios são uma rica fonte de pistas sobre a água que fluía nesses leitos e sobre o clima que os produziu. Por exemplo, a largura e a inclinação dos leitos dos rios e o tamanho do cascalho informam os cientistas sobre a força do fluxo de água, e a quantidade de cascalho restringe o volume de água que passa.

Sua análise mostra evidências claras de escoamento persistente e forte que ocorreu bem no último estágio do clima úmido, disse Kite.

Os resultados fornecem orientação para aqueles que tentam reconstruir o clima marciano, disse Kite. Por exemplo, o tamanho dos rios implica que a água estava fluindo continuamente, não apenas ao meio-dia, então os modeladores climáticos precisam explicar um forte efeito estufa para manter o planeta aquecido o suficiente para temperaturas diurnas médias acima do ponto de congelamento da água.

Os rios também mostram forte fluxo até o último minuto geológico antes do clima úmido secar.

Kite disse:

Você esperaria que eles diminuíssem gradualmente com o tempo, mas não é isso que vemos.

Os rios ficam mais curtos – centenas de quilômetros ao invés de milhares – mas a descarga ainda é forte.

O dia mais chuvoso do ano ainda está muito molhado.

É possível que o clima tinha uma espécie de interruptor ‘liga/desliga’, especulou Kite, que oscila entre os ciclos seco e molhado.

Ele disse:

Nosso trabalho responde algumas perguntas existentes, mas levanta uma nova. O que está errado: os modelos climáticos, os modelos de evolução da atmosfera ou nossa compreensão básica da cronologia do sistema solar interior?

Fonte: http://ovnihoje.com/2019/03/29/pouco-tempo-atras-marte-era-coberto-de-gigantescos-rios-e-lagos-descobrem-cientistas/

Engenheira da NASA diz que poderíamos voar batendo nossos braços em lua de Saturno !

Engenheira da NASA diz que poderíamos voar batendo nossos braços em lua de Saturno
Uma engenheira da NASA chamada Janelle Wellons diz que devemos pensar em nos instalar na lua de Saturno, Titã, e ela tem uma longa lista de razões, uma delas sendo que poderemos voar lá apenas batendo nossos braços.

Ela escreveu no Reddit:

Lá tem uma atmosfera espessa que pode nos proteger da radiação espacial. É tão densa que poderíamos realmente anexar asas aos nossos braços e voar nesta lua. Eu não sei, parece um lugar incrível para se viver.

Os comentários de Wellon apareceram numa publicação do Reddit na qual engenheiros, cientistas e pilotos da NASA responderam perguntas do público.

Um Redditor perguntou onde a equipe recomendaria estabelecer se as condições na Terra se tornassem insustentáveis, e Wellons interveio, dizendo a “resposta mais interessante do que a resposta padrão de Marte ou da Lua”.

Ela escreveu:

Que tal se considerarmos um dos mundos aquáticos do nosso sistema solar: Titã?

Titã é a maior lua de Saturno, ainda maior que o planeta Mercúrio, então acho que poderíamos nos contentar com espaço suficiente.

Apesar do entusiasmo de Wellon, há desvantagens definitivas em Titã. Ele recebe apenas cerca de um por cento da luz solar que a Terra recebe e, de acordo com a pesquisa da NASA, sua temperatura máxima é de -180 graus Celsius.

Wellon escreveu:

Agora, quanto às condições na superfície, não são tão ruins quanto você pode pensar. Titã é o único lugar, além da Terra, que tem líquidos na forma de lagos e mares em sua superfície.

Esses líquidos são feitos de metano, mas, munidos com o tipo certo de equipamento de proteção, teoricamente, é possível nadar sem receber danos!

Fonte: http://ovnihoje.com/2019/03/29/engenheira-da-nasa-diz-que-poderiamos-voar-batendo-nossos-bracos-em-lua-de-saturno/

O ex-presidente polaco Lech Walesa adverte sobre uma possível INVASÃO ALIENÍGENA !


A reunião de Lech Wałęsa em Krosno acabou por ser ainda mais peculiar do que se pensava anteriormente. Além de sua opinião bastante complicada sobre o ambiente LGBT, o ex-presidente também desenvolveu sua teoria sobre uma possível invasão de alienígenas

Cinco ou quatro vezes houve uma civilização como a nossa na Terra e eles cometeram o mesmo erro que nós agora - eles não foram capazes de se comunicar corretamente. E alguém como Putin apertou o botão nuclear contra os ETs e queimou a todos nós.

"Existem três níveis de desenvolvimento intelectual em outras galáxias. Nós somos os mais baixos. E uma civilização superior chega a essas "civilizações inferiores" para ver o que estão fazendo. Quando aqueles os ameaçarem, eles simplesmente nos cortarão pela metade, a Terra entrará em colapso, todos nós seremos esmagados, eles colocarão a raça humana 5 mil anos pra traz e a civilização será obrigada a reconstruir a partir do zero"
"Eles nos enviarão Adão e Eva (de novo) e nós reconstruiremos até estarmos no mesmo momento em que estamos hoje. Isso também deve ser levado em conta. Por quê? As pessoas encontram coisas diferentes, desenterram-nas, em pedra .... pirâmides, por exemplo. Bem, nós não sabemos de onde veio ", disse Wałęsa e continuou que" temos que colocar tudo sobre a mesa ".

Fonte: http://ufosonline.blogspot.com/

Sonda SOHO fotografa "Objectos Enormes" e um Stargate perto do Sol !


Alguns objetos maciços e um buraco de minhoca (Stargate), apareceram perto do Sol, registrados pela sonda helioférica da NASA "SOHO". Quem Publicou as imagens foi o caçador de anomalias do espaço UFOvni2012 que apresentou um vídeo gravado pela sonda SOHO em que você pode observar objetos enormes maiores do que a Terra ao lado do sol.
Nas fotografias que apresentamos, publicadas por UFOvni2012, além dos objetos espaciais desconhecidos, há também um grande Stargate (inferior esquerdo) que permanece próximo do Sol por muitos minutos.A teoria desses portais não é pura fantasia. Cientistas da NASA foram capazes de descobrir onde e como eles foram abertos, definindo assim os critérios para a busca de "stargates" que a NASA iniciou em 2014 com a missão Mms (Magnetospheric Multiscale Mission).
Neste quadro da sonda SOHO, a abertura de um buraco de minhoca ou Stargate é visível no canto inferior esquerdo. Objetos maciços muito semelhantes são visíveis à direita e acima, destacados por setas vermelhas

Segundo o pesquisador Nassim Haramein, como mencionado em artigos anteriores, quase uma vez por semana há uma singularidade, um buraco negro (buraco de minhoca) no Sol. As civilizações extraterrestres exploram esses portais do Sol para entrar em nosso sistema solar. Buracos negros visíveis graças às imagens SOHO, podem ser similares em diâmetro à Terra ou até maiores.

Fonte: http://ufosonline.blogspot.com/

quinta-feira, 28 de março de 2019

A pesquisa científica secreta dos Estados Unidos !

A pesquisa científica secreta dos Estados Unidos
Isto mostra a existência de uma cultura científica de dois níveis, da qual o nível superior seria um domínio para a P&D (Pesquisa & Desenvolvimento) clandestinos, desconhecidos das autoridades democraticamente eleitas.

Muitos investigadores e denunciantes nos Estados Unidos, nos últimos 40 anos, chamaram a atenção para programas científicos e técnicos não reconhecidos, os quais estão sendo realizados em vários laboratórios e centros de pesquisa públicos e privados, afiliados a agências militares e de inteligência, em áreas “exóticas”. que oficialmente não são considerados merecedores de séria atenção em instituições civis como as universidades.

O que sabemos sobre os programas suspeitos de “acesso especial” que se escondem dentro do complexo militar-industrial-de-inteligência americano e o que é respaldado por evidências materiais?

Entre os primeiros denunciantes, que surgiram na década de 1980 (1989 no seu caso), Bob Lazar é digno de nota, devido à extensa informação que ele forneceu em conversas gravadas em vídeo sobre pesquisa que ele realizou na Área S-4, perto da notória Área 51, na faixa de testes atômicos do deserto de Nevada, ao redor do leito seco do lago Groom.

Lazar alegou ter sido recrutado pelo Escritório de Inteligência Naval (de sigla em inglês, ONI), através do empreiteiro de defesa EG&G, para trabalhar como parte de uma equipe em um projeto altamente sigiloso que envolvia o exame e a engenharia reversa de uma nave em forma de pires, de 52 pés de largura (16 metros), a qual ele rapidamente percebeu que não foi construída por humanos.

Ele explicou ainda que era feito de um material desconhecido, semelhante a cerâmica, podia acomodar três tripulantes de pequeno porte (1,5 m de altura) e era alimentado por um elemento super pesado até então não descoberto, eventualmente identificado como número 115 na tabela periódica, o qual gerava seu próprio campo gravitacional e permitia que a nave atingisse velocidades fantásticas.

Lazar explicou ainda que o veículo espacial recuperado estava sendo testado na Área 51 / S-4, embora nem seus materiais, nem seus sistemas de propulsão, pudessem ser compreendidos ou reproduzidos. No entanto, ele advertiu que os militares dos EUA haviam, de alguma forma, conseguido uma quantidade substancial de Elemento 115, armazenado em Los Alamos e destinado à construção de armas. Seu relatório foi apoiado por investigadores bem relacionados, inclusive John Lear, filho do inventor do Learjet e um agente veterano da CIA, o qual testemunhou que ele também foi exposto a pesquisas secretas sobre tecnologias ‘alienígenas’.

O testemunho de Lazar (refeito e atualizado em um recente documentário de Jeremy Corbell intitulado “Bob Lazar, Area 51 and Flying Saucers” (“Bob Lazar, Área 51 e Discos Voadores”) foi um dos muitos que foram mais ou menos divulgados nas décadas seguintes, apesar das negações inflexíveis dos setores oficiais.

Em 1997, o ex-funcionário da inteligência do Pentágono e o livro mais vendido do Coronel Philip Corso, “The Day After Roswell“, (“O Dia Seguinte a Roswell”) pretendia levantar o véu sobre grande parte da pesquisa clandestina realizada desde 1947 por vários ramos do governo federal e compartimentadamente terceirizada para empresas de defesa, como Lockheed, Boeing, McDonnell Douglas, Martin Marietta, Northrop, 
Grumman, Raytheon, General Dynamics e outras.

No entanto, os resultados dessas investigações avançadas permaneceram em grande parte não revelados, embora Corso tenha alegado que grandes avanços técnicos, tais como microtransistores, supercondutores, fibra óptica, Kevlar e óculos de visão noturna foram desenvolvidos através da engenharia reversa de materiais estranhos. Desde então o engenheiro aeronáutico Edgar Fouché, que relata ter trabalhado para o Projeto Aurora na Área 51, que construiu a espaçonave secreta triangular abastecida com plasma de mercúrio, Tr3-B, Dr. Robert Wood da McDonnell Douglas, Corey Goode e Wlliam Tompkins, também da McDonnell Douglas e, o mais polêmico, Dan Burisch, estão entre os supostos “delatores” que falaram a respeito de vários programas “negros”.

Alguns, como Goode, alegam ter servido em uma SSF (Secret Space Fleet, ou Frota Espacial Secreta), uma ramificação da Marinha dos EUA que começou a operar nos anos 1960 ou 1970, sob o codinome Solar Warden. Suas alegações foram extensivamente reportadas e analisadas ​​por pesquisadores veteranos como Linda Moulton Howe, como parte de sua série Earthfiles, Paola Harris, Dr. Steven Greer (em seu amplamente divulgado Disclosure Project) e pelo Dr. Michael Salla, co-fundador do Exopolitics Institute.

Além disso, em junho de 2017, um documento secreto de 47 páginas foi vazado e analisado por vários especialistas. Parece ser um documento de instruções ditado por um membro da agência clandestina MJ-12 (criada para lidar com questões relacionadas aos OVNIS em 1954) para o Dr. Philip Morrison, um eminente físico do MIT. Ele contém descrições detalhadas de naves alienígenas e sua recuperação, transcrições de comunicações com seres alienígenas e explicita as medidas tomadas pelas agências envolvidas para manter todo o assunto em segredo, até mesmo das autoridades eleitas mais altas.

Em 2007, o senador Harry Reid, de Nevada, onde a Área 51 está localizada, e que então presidiu o Comitê Seleto de Inteligência do Senado, montou um novo grupo de estudos com o apoio dos senadores Inouye e Stevens, sob o nome de AATIP. (sigla em inglês para Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais) por sugestão de seu amigo, o bilionário Robert Bigelow, presidente da Bigelow Aerospace, um empreiteiro da NASA que conduziu pesquisas sobre OVNIs e coletou evidências substanciais da presença extraterrestre.

O senador Reid queria reunir informações sobre o trabalho secreto que estava sendo realizado fora do alcance das autoridades do Congresso e conseguiu uma dotação de US$ 22 milhões para um orçamento de cinco anos. As investigações foram confiadas à divisão de pesquisa aeroespacial de Bigelow e coordenadas pela Earthtech de Austin, Texas, um centro de P&D em áreas de fronteira da ciência liderado pelo Dr. Harold Puthoff, anteriormente no Stanford Research Institute.

A AATIP, sob a liderança do alto funcionário de inteligência Luis Elizondo, encomendou um relatório de 490 páginas e coletou 38 documentos confidenciais de várias universidades e centros de pesquisa, refletindo algumas das metas perseguidas a pedido da DIA (sigla em inglês para Agência de Inteligência de Defesa), como Documentos de Pesquisa para Inteligência de Defesa (de siga em inglês, DIRD) e outros órgãos de inteligência militar.

O projeto permaneceu desconhecido do público até que, tanto o New York Times quanto o Washington Post, em 16 de dezembro de 2017, publicaram artigos sobre o assunto com os esperados rumores céticos “obrigatórios”. Ambos, no entanto, forneceram links online para um vídeo feito em 2004 pelos pilotos de jatos Super Hornet do USS Nimitz, na costa do sul da Califórnia, de uma esquadrilha de objetos voadores extremamente rápidos, exibindo desempenhos muito além das habilidades dos mais avançados. aeronaves, cujos formatos pareciam o da bala ‘tictac‘, que se tornou seu apelido.

O físico Jack Sarfatti, que trabalhou para a San Diego State University, afirmou que está fazendo pesquisas sobre o sistema de propulsão do OVNI ‘tictac‘, estudando os metamateriais ‘alienígenas’ recuperados sob a custódia da Earthtech do Dr. Puthoff. A existência desses materiais de origem não terrestre foi oficialmente confirmada.

Em janeiro deste ano, um pedido da Lei de Liberdade de Informação de Steven Aftergood, diretor da Federação de Cientistas Americanos contra o Sigilo do Governo, levou à divulgação pelo DIA da lista de títulos dos 38 relatórios de pesquisa financiados pelo governo, recolhidos pela AATIP. Eles incluem dois documentos vazados anteriormente por Corey Goode, respectivamente intitulados “Traversable Wormholes, Stargates and Negative Energy” (“Buracos de Minhocas Atravessáveis, Portais Estelares e Energia Negativa”) (número 8 na lista) e “Warp Drive, Dark Energy and Manipulation of Extra-Dimensions” (“Motores de Dobra Espacial, Energia Negra e Manipulação de Extra-Dimensões”) (número 19). Outros são dedicados às tecnologias de ocultação de invisibilidade, sistemas de propulsão a partir do vácuo espacial, antigravidade, comunicação espacial baseada em emaranhamento quântico e não-localidade, matéria programável, propulsão negativa em massa e outros tópicos não reconhecidos publicamente como estando no reino das possibilidades reais.

Os cínicos, que alegaram que tudo isso é um monte de asneira especulativa e um desperdício de dinheiro público, não consideraram que a divulgação da AATIP parece ser o que a CIA chama de “ponto de encontro limitado”: ​​isto é, um vislumbre superficial de um segredo muito maior ocultado numa “negação plausível”.

Desde o alegado encerramento da AATIP em 2012, uma iniciativa privada chamada TTSA (To the Stars Academy) foi criada com a participação de alguns dos funcionários da AATIP, inclusive seu ex-diretor Luis Elizondo. A TTSA está trabalhando com oficiais militares e civis aposentados para divulgar ainda mais o extenso e secreto P&D militar realizado entre agências governamentais e empresas privadas envolvidas no que é comumente chamado de Deep State (Estado Profundo). Seu diretor executivo Tom DeLonge produziu uma nova série de documentários para o History Channel confiando em testemunhos militares e intitulada Unidentified (Não Identificado).

Quanto mais tempo e esforço será necessário para certas agências do governo dos Estados Unidos confessarem os muitos segredos sinistros ou incompreensíveis que eles esconderam do público, muitas vezes violando os princípios constitucionais e as normas e procedimentos legais?

Fonte: http://ovnihoje.com/2019/03/28/a-pesquisa-cientifica-secreta-dos-estados-unidos/

Astrónomos conseguem olhar diretamente um exoplaneta graças à uma nova técnica de telescópio !

Os cientistas observaram diretamente um exoplaneta de uma maneira totalmente nova, graças a um instrumento no Interferômetro do Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul.

Os telescópios são mais do que lentes e espelhos – eles são avançados detectores de radiação eletromagnética projetados para superar os muitos desafios de observar objetos muito distantes. Os exoplanetas são especialmente difíceis de serem visualizados, pois são milhares de vezes mais escuros que as estrelas que orbitam. O novo tipo de observação, que utiliza a interferometria óptica com o instrumento GRAVITY, é outra ferramenta importante, pois pode medir diretamente a luz dos exoplanetas, em vez de se basear em como eles mudam a luz das estrelas que orbitam.

“É uma conquista técnica para nós”, disse o primeiro autor do estudo, Sylvestre Lacour, líder da equipe e pesquisador do Observatório de Paris – PSL, do CNRS. “Fizemos algo que ninguém pôde fazer antes.”

Os pesquisadores observaram o HR 8799e, um jovem exoplaneta parecido com Júpiter orbitando uma estrela brilhante chamada HR 8799, 39,4 parsecs (128,5 anos-luz) de distância. Não é um exoplaneta recém-descoberto, mas é a primeira vez que os cientistas observam qualquer exoplaneta usando interferometria óptica. Seus resultados são publicados em Astronomia e Astrofísica.
A interferometria óptica é semelhante a outras formas de interferometria. Os pesquisadores fizeram observações simultâneas de luz visível, usando os quatro telescópios de 8 metros do Chile e alinharam as observações mais tarde. É semelhante a construir um espelho maior para coletar luz em uma câmera central, mas em vez de espelhos refletindo a luz em um lugar, eles estão reunindo fisicamente a luz de quatro diferentes telescópios graças ao instrumento GRAVITY.

Os resultados apresentaram algumas surpresas: O HR 8799e contém mais monóxido de carbono que metano, o que foi inesperado com base em cálculos de química. Lacour disse que talvez os ventos verticais do planeta estivessem impedindo a ocorrência de reações químicas formadoras de metano.

Algumas notas: não, isso não significa que agora podemos visualizar diretamente a luz óptica de um exoplaneta, já que esse método não produz imagens bonitas, mas, em vez disso, coleta dados em uma espécie de espectro matematicamente transformado… Além disso, ainda não temos a capacidade de observação para procurar por bioassinaturas, sinais de que a vida alterou a atmosfera de um planeta, embora seja improvável que um planeta semelhante a Júpiter possa conter tais assinaturas.

Ainda assim, é uma observação empolgante para a equipe – uma nova ferramenta com a qual observar os exoplanetas, que poderia levar a novas descobertas importantes.

Fonte: http://ovnihoje.com/2019/03/28/astronomos-conseguem-olhar-diretamente-um-exoplaneta-gracas-a-uma-nova-tecnica-de-telescopio/

NASA revela detalhes do helicóptero que irá voar em Marte !

NASA revela detalhes do helicóptero que irá voar em Marte
Pilotar um helicóptero em Marte é particularmente desafiador, até porque sua atmosfera rarefeita – mesmo em nível de superfície – equivale a voar a uma altitude de 100.000 pés aqui na Terra.

Flying a helicopter on Mars is particularly challenging, not least because its thin atmosphere – even at surface level – is equivalent to flying at an altitude of 100,000 pés (30.000 metros) here on Earth.

Para tornar possível voar em Marte, os engenheiros da NASA, que têm trabalhado no projeto nos últimos seis anos, tiveram que tornar o helicóptero extremamente leve e extremamente forte.

Em torno do tamanho de uma bola de bocha, o helicóptero pesará uns escassos 4 quilos e suas pás girarão a 3.000 rpm – dez vezes mais rápido do que as de um helicóptero típico na Terra.

Para evitar um atraso de comando, o minúsculo veículo voará de forma autônoma e realizará vôos curtos de até 90 segundos. Ele será equipado com seus próprios painéis solares e baterias para aquecimento e energia.

A NASA espera enviá-lo em um total de 5 voos, mas é possível que ele faça mais.

Susan Gorton, da NASA, disse:

O que quer que o futuro traga para o voo em nossa atmosfera, os céus acima de Marte, ou sobre qualquer outro planeta que esteja lá fora, estamos prontos para compartilhar as habilidades e conhecimentos que adquirimos ao longo de décadas de pesquisa aeronáutica,

Fonte: http://ovnihoje.com/2019/03/28/nasa-revela-detalhes-do-helicoptero-que-ira-voar-em-marte/

Incógnita se seres humanos tal como os animais podem detectar alterações magnéticas...!

Ondas geradas pelo cerebro humano
Um interessante estudo feito nos EUA revela que variações do campo magnético podem ser percebidas por algumas pessoas, a exemplo do que acontece com alguns animais que se orientam pelo magnetismo da Terra.

O estudo, publicado na versão online da revista Neuro, revelou que mudanças no campo magnético ao redor de um indivíduo podem diminuir ou até mesmo suprimir a geração das ondas Alfa produzidas pelo cérebro durante os momentos de relaxamento.

Essa é a primeira vez que um experimento desse tipo revela alguma relação entre o magnetismo e o funcionamento do cérebro humano.

Ondas Alfa

Durante o estado de relaxamento, uma grande quantidade de ondas do tipo alfa são produzidas pelo cérebro humano e são facilmente detectadas por instrumentos sensíveis. A frequência das ondas Alfa varia entre 8 e 13 Hertz.

Há muito tempo que os pesquisadores sabem que alguns seres vivos podem perceber o campo magnético da Terra e até mesmo usa-lo para orientação. Casos típicos são morcegos, abelhas, tartarugas, pássaros e baleias. Cães também utilizam essa capacidade e conseguem localizar imãs enterrados.
Camara isolada para experimentos cerebrais
Essa capacidade sensorial é chamada pelos especialistas de magnetorecepção e de acordo com Connie Wang, estudante de pós-graduação ligada ao Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), também pode fazer parte do rol de sentidos do ser humano.

Experimento de Magnetorecepção

Para tentar descobrir se os seres humanos também possuem habilidades de magnetorecepção, os pesquisadores construíram uma câmara isolada e protegida das emissões de radiofrequência.

Durante uma hora os participantes sentaram-se em total escuridão e foram submetidos a campos magnéticos que mudavam de orientação.

À medida que os campos magnéticos se deslocavam silenciosamente em torno da câmara, as ondas cerebrais dos participantes eram medidas usando eletrodos posicionados em 64 locais em suas cabeças.

Durante o experimento, 34 participantes tiveram a intensidade das ondas Alfa enfraquecidas em até 60% em resposta aos campos magnéticos em mutação. O experimento foi repetido diversas vezes e os registros mostraram que o efeito era reprodutível.

Segundo Joseph Kirschvink e Shin Shimojo, coautores do estudo, esta é a primeira evidência concreta que de um novo sentido humano, a magnetorecepção.

Efeito Inconsciente

De acordo com Kirschvink e Shimojo, os participantes que experimentaram as mudanças não tiveram qualquer consciência da detecção, o que parece ser um efeito completamente inconsciente, nunca chegando ao nível de uma interrupção consciente.

Essa não percepção do efeito levou os pesquisadores a sugerir que pode ser algo vestigial, ainda resquício de uma antiga habilidade de navegar usando pistas magnéticas locais.

“Talvez não seja tão surpreendente que alguns humanos possam manter alguns componentes neurais funcionais, ainda mais se considerarmos que nossos ancestrais não muito distantes eram caçadores nômades”, diz Kirschvink.

Fonte: https://www.apolo11.com/invencoes_descobertas.php?titulo=Seres_humanos_podem_detectar_mudancas_magneticas_como_os_animais_&posic=dat_20190328-110656.inc

segunda-feira, 25 de março de 2019

Vídeos mostram Clarão no Céu que Assustou Pernambucanos !


Reprodução/TV Jornal

Vários vídeos enviados para o Por Dentro com Cardinot mostram um clarão no céu pernambucano. O fenômeno foi registrado em vários municípios, como Vitória de Santo Antão, Igarassu, Olinda e no Recife.

De acordo com a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), o clarão visto pelos pernambucanos foram raios, que podem ter sido gerados pelo calor excessivo na região, que registrou nessa quarta-feira (20) quase 35°C, causando nuvens carregadas eletricamente, assim gerando raios, trovões e relâmpagos.

Fonte: http://ufosonline.blogspot.com/

Tornado manifesta-se na pirâmide de Chichen Itza, no Yucatán. Os Visitantes assustados disseram que Kukulkan esta zangado !


No site laverdadnoticias diz: Há alguns minutos houve um tornado que acabou de cair na cabeça de Kukulcán ...

Um tornado de areia se manifestou ao Vivo na pirâmide de Kukulcan ou "El Castillo", a sétima nova maravilha do mundo.Um evento incomum, muitos estudiosos da região concordam que isso é uma mensagem dos antigos Deuses Maias.

Há poucos minutos, ele apareceu na terra Yucatan, especificamente em Chichén Itzá, um pequeno tornado aterrissou exatamente na cabeça de Kukulcan, onde os antigos maias cada primavera desciam as escadas ao nível do solo.Eles garantem que o supremo Deus maia desceu em forma de tornado.

"Kukulcán está zangado" é ouvido no vídeo, visto que o tornado em forma de serpente se eleva para o céu sem causar mais danos do que uma pequena poeira que torna a silhueta do fenômeno natural mais visível.

Fonte: http://ufosonline.blogspot.com/

sexta-feira, 22 de março de 2019

Oceano subterrâneo descoberto na Amazônia - Estimado em mais de 160 triliões de metros cúbicos !


Durante Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), no campus da Universidade Federal do Acre (UFAC), foi estimado que a Amazônia tem um oceano subterrâneo. A reserva de água tem volume de cerca de 160 trilhões de metros cúbicos.

A informação é de João Lara Mesquita, publicada por O Estado de S. Paulo, 13-03-2019.

3,5 vezes maior que o Aquífero Guarani

O volume é 3,5 vezes maior do que o do Aquífero Guarani. Este depósito de água doce subterrânea abrange os territórios do Uruguai, Argentina, Paraguai e Brasil. Ele tem 1,2 milhão de quilômetros quadrados (km2) de extensão.

De acordo com a equipe, a reserva subterrânea representa mais de 80% do total da água da Amazônia. A água dos rios amazônicos, por exemplo, representa somente 8% do sistema hidrológico do bioma. As águas atmosféricas têm esse mesmo percentual de participação.

Falta estudar Oceano subterrâneo descoberto

O conhecimento sobre esse “oceano subterrâneo” ainda é muito escasso. Precisa ser aprimorado tanto para avaliar a possibilidade de uso para abastecimento humano, como para preservá-lo em razão de sua importância.

Aquífero, ou mar subterrâneo, fica em Alter do Chão

Os trabalhos sobre o Aquífero da Amazônia foram iniciados há apenas 10 anos. O estudo indicou que está situado em meio ao cenário de uma das mais belas praias fluviais do país. Ele teria um depósito de água doce subterrânea com volume aproximado de 86,4 trilhões de metros cúbicos.

Denominado pelo pesquisador como Sistema Aquífero Grande Amazônia (Saga), ele começou a ser formado a partir do período Cretáceo, há cerca de 135 milhões de anos.

Ainda não se sabe se é água para consumo

Uma das limitações para a utilização da água disponível é a precariedade do conhecimento sobre suas características. Falta obter informações sobre a qualidade da água do reservatório para identificar se é apropriada para o consumo.

Dificuldades no caminho

De acordo com Ingo Daniel Wahnfried, professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), um dos principais obstáculos para estudar o Aquífero Amazônia é a complexidade do sistema.

O reservatório é composto por grandes rios, com camadas sedimentares de diferentes profundidades.

Águas permanentemente livres

Diferentemente do Aquífero Guarani, acessível apenas por suas bordas, as áreas do Aquífero Amazônia são permanentemente livres.

No Amazonas 71% dos municípios utilizam água subterrânea

Segundo o pesquisador, a água subterrânea é amplamente distribuída e disponível na Amazônia. No estado do Amazonas 71%, dos 62 municípios, utilizam água subterrânea (não do aquífero) como a principal fonte de abastecimento público. Já, dos 22 municípios do Estado do Acre, quatro são totalmente abastecidos com água subterrânea.
Assista abaixo alguns vídeos mais antigos e tire suas conclusões.

Fonte: http://ufosonline.blogspot.com/

Um experiente especialista em OVNIS supostamente pediu ao fundador da SpaceX, Elon Musk para recuperar um OVNI caído na superfície da Lua !


Um experiente especialista em OVNIs pediu ao fundador da SpaceX, Elon Musk, para recuperar um OVNI caído da superfície da Lua e aprender suas tecnologias alienígenas.
O caçador de OVNIs Scott C Waring afirma ter encontrado uma espaçonave de 10 milhas de comprimento na Cratera Waterman da Lua. A espaçonave alienígena, em sua opinião, poderia conter um tesouro de informações e tecnologias secretas. Waring, que dirige o blog de conspirações UFO Sightings Daily, contatou Musk para considerar a recuperação da espaçonave. Ele disse: “Eu tweetei Elon Musk e fiquei surpreso com todos os retweets que as pessoas deram.

“Aparentemente há muitas pessoas que acham que é uma boa ideia para Musk investigar isso.

“Eu senti que talvez devesse deixar Elon Musk saber sobre uma das naves alienígenas de 10 milhas que encontrei.

“Esta embarcação particular está na Cratera Waterman na lua da Terra.

"Eu pensei que se eu o deixasse saber que uma nave de alta tecnologia com um comprimento de 10 a 11 milhas de extensão existisse, talvez ele pudesse se interessar em recuperar"

Waring argumentou que a recuperação do OVNI poderia impulsionar o desejo da humanidade de colonizar os mundos dentro e fora do sistema solar.

O especialista em OVNIs teorizou que a espaçonave alienígena ainda poderia estar funcionando ou pode ter sido abandonada por seus proprietários.

Ele disse: “O que eu quero dizer com o trabalho, é que você sabe como um telefone fica desatualizado em alguns anos, então você deixa de lado o antigo?

“Bem, isso só pode ter sido substituído por um modelo mais novo.

“Pense em quantas pessoas uma nave de 10 milhas poderia acomodar nela.

"Eu deveria deixar Elon Musk saber sobre uma das naves alienígenas de 10 milhas de comprimento"
Scott C Waring, especialista em OVNIs

"Seria o suficiente para começar novas colônias em outros planetas."

Em um tweet dirigido a Musk e sua empresa de carros elétricos Tesla, Waring encorajou o bilionário sul-africano a pensar na tecnologia a bordo.

Ele disse: "Pegue esta nave e levará humanos pelo universo".
Avistamento de OVNIs: (Imagem: SCOTT C WARING)

Waring então disse que "colocar um logotipo da Tesla" na alegada espaçonave mudaria todo o planeta.
Foto Nasa: https://www.lpi.usra.edu/resources/apollo/frame/?AS15-P-9589

Quer ou não as bizarras afirmações do UFO do Sr. Waring sejam verdadeiras, a empresa de foguetes SpaceX do Sr. Musk está destinada ir a Lua em um futuro próximo.

Espera-se que o SpaceX leve o colecionador de arte e bilionário japonês Yusaku Maezawa a uma viagem inédita de ida e volta ao redor da Lua em 2023.

A jornada privada além da Lua e de volta financiará as futuras missões de exploração espacial da SpaceX.

O Sr. Musk, que atualmente está focado em enviar astronautas com segurança para a Estação Espacial Internacional (ISS), não respondeu publicamente ao tweet de Waring.

Fonte: http://ufosonline.blogspot.com/

quinta-feira, 21 de março de 2019

Asteroides podem apresentar grandes problemas para o nosso futuro, mesmo sem um impacto !

Asteroides podem apresentar grandes problemas para o nosso futuro
De fato, por algumas medidas, é razoável concluir que grande parte do estoque privado de metais valiosos da Terra – especialmente o tungstênio – veio de impactos passados, onde objetos do espaço colidiram com a Terra. Por isso, muitos concluem que as perspectivas futuras de mineração de asteroides no espaço por seu valioso estoque metálico são promissoras.

Isto é, se o próximo asteroide que colidir com a Terra não destruir toda a vida como a conhecemos em primeiro lugar.

Embora esta afirmação possa soar alarmista, é uma preocupação muito legítima e que deve ser considerada por duas razões principais: 1) tais impactos ocorreram no passado, e inevitavelmente ocorrerão novamente, e 2) alguns eventos de impacto no passado causou devastação generalizada e até extinções em massa.

No entanto, impactos diretos nem são necessários para que haja devastação generalizada. Apesar disso, pode-se argumentar que a coisa mais alarmante sobre os asteroides e seus perigos potenciais é que a humanidade ainda está maciçamente sub-equipada para lidar com tal ameaça.

Recentemente foi reportado sobre uma explosão no ar, sobre o Mar de Bering, que ocorreu no final de 2018, a qual passou despercebida devido à sua localização remota. Apesar disso, o meteoro liberou cerca de 10 vezes mais energia do que as explosões atômicas que nivelaram Hiroshima e Nagasaki no final da Segunda Guerra Mundial.

Como reportado, foi a maior explosão no ar desde que outro meteoro invadiu a atmosfera em Chelyabinsk, na Rússia, há seis anos, e a segunda maior nos últimos 30 anos.

Na época do evento de Chelyabinsk, a NASA e outras agências espaciais estavam observando a passagem de outro objeto espacial próximo à Terra, um asteroide chamado 2012 DA14, que voou a cerca de 28.000 km da Terra. A maioria das evidências aponta para o fato dos dois eventos não estarem relacionados (embora seja importante notar que um especialista aeroespacial com quem falei em condições de anonimato na época me disse que achava difícil acreditar que os dois eventos fossem totalmente não relacionados).

Estivessem ou não relacionados os eventos, muitos levantaram a questão de porque, se um objeto já estava sendo rastreado pela NASA, não havia nenhum aviso prévio sobre o meteoro de Chelyabinsk. Escrevendo para o Skeptical Inquirer em 2013, David Morrison, Alan Harris e Mark Boslough observaram:

Com um diâmetro de cerca de vinte metros… o impactador de Chelyabinsk era menor do que a maioria dos asteroides detectados pelos telescópios da NASA Spaceguard Survey, que se concentra em encontrar asteroides de cerca de cem metros ou maiores.

É claro que não seria necessário um objeto espacial de 100 metros ou mais para causar devastação generalizada. Talvez a melhor evidência para isso seja o famoso incidente de 1908 em Tunguska, que envolveu um objeto que foi estimado ter apenas 120 metros de diâmetro, e que conseguiu destruir 800 quilômetros quadrados de floresta na remota Sibéria, achatando 80 milhões de árvores, de acordo aos dados da NASA.

Conforme observado no site da agência espacial:

Estima-se que o asteroide entrou na atmosfera da Terra, viajando a uma velocidade de cerca de 33.500 milhas por hora (54.000 km/h). Durante seu mergulho rápido, a rocha espacial de 220 milhões de libras (997 milhões de kilos) aqueceu o ar em torno dela para 44.500 graus Fahrenheit (24.700 graus Celsius). Às 7h17 da manhã (hora local da Sibéria), a uma altura de cerca de 28.000 pés (8.500 metros), a combinação de pressão e calor fez com que o asteroide se fragmentasse e se aniquilasse, produzindo uma bola de fogo e liberando energia equivalente a cerca de 185 bombas de Hiroshima.

Junto com o fato de que os asteroides menores do que aqueles na faixa de fácil detecção podem ser devastadores, é o fato de que eles não podem ser facilmente destruídos. Charles El Mir, Ph.D. do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Johns Hopkins, descreveu o problema em um artigo recente, no qual ele e seus colegas descobriram que modelos anteriores de computadores, usados ​​para determinar a facilidade com que um asteroide quebraria, estavam desatualizados. Ao empregar um novo modelo de computador conhecido como modelo Tonge-Ramesh (nomeado em parte por um de seus colegas, KT Ramesh, diretor do Hopkins Extreme Materials Institute), o grupo conseguiu calcular processos mais detalhados que determinam o que acontece quando um asteroide colide com outro objeto.

El Mir escreveu:

Costumávamos acreditar que quanto maior o objeto, mais facilmente ele se quebraria, porque objetos maiores têm maior probabilidade de ter falhas. Nossas descobertas, no entanto, mostram que os asteroides são mais fortes do que costumávamos pensar, e exigem mais energia para serem completamente destruídos.

Não que alguém tenha dito que seria fácil destruir um asteroide potencialmente letal, embora saber o quão resiliente eles possam ser não é muito reconfortante. Felizmente, o que é reconfortante é o das ameaças detectáveis ​​de asteroides atualmente conhecidas pela NASA, nenhuma delas representando qualquer perigo direto para a Terra no próximo século.

Então, no mínimo, podemos ter algum tempo para trabalhar nesses problemas antes que qualquer evento no estilo Armagedom se torne uma ameaça iminente. No entanto, as evidências mostram que mesmo asteroides menores – colidindo ou não diretamente com a Terra – também podem ser problemáticos.

A hora de agir é agora, se esperamos desenvolver métodos confiáveis ​​de detecção e interceptação de asteroides e outros objetos espaciais que possam representar um perigo para o futuro da humanidade.

Fonte: http://ovnihoje.com/2019/03/21/asteroides-podem-apresentar-grandes-problemas-para-o-nosso-futuro-mesmo-sem-um-impacto/

quarta-feira, 20 de março de 2019

Estudo indica potencial de vida extraterrestre na Via Láctea !

Uma das condições que permitiram o surgimento e a manutenção da vida na Terra é o fato de o planeta ser geologicamente ativo, com terremotos e vulcões.

A atividade vulcânica, gerada pela movimentação das placas tectônicas sobre o manto terrestre (tectonismo) possibilita reciclar gases, como o dióxido de carbono, através do manto, da crosta, da atmosfera e dos oceanos. Dessa forma, contribui para tornar a Terra habitável ao manter a temperatura do planeta em condições ideais para a sobrevivência dos seres vivos, explicam os cientistas.

Um estudo feito por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) sugere a existência de outros planetas rochosos na galáxia em que se encontra a Terra – a Via Láctea – com altas probabilidades de apresentarem tectonismo, o que aumenta a chance de também serem habitáveis.

Os resultados do trabalho, apoiado pela FAPESP, foram publicados no Monthly Notices of Royal Astronomical Society (MNRAS). O estudo tem a participação de pesquisadores do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP) e de outras universidades e instituições de pesquisa no Brasil e no exterior.

“Verificamos que há condições geológicas favoráveis para o surgimento e a manutenção da vida em exoplanetas rochosos, e que ela [a vida] pode estar espalhada por todo o disco da galáxia e ter se originado em qualquer época da evolução da Via Láctea”, disse Jorge Luis Melendez Moreno, professor do IAG-USP e um dos autores do estudo, à Agência FAPESP.

Os pesquisadores determinaram os parâmetros superficiais, as massas e as idades de 53 gêmeas solares, situadas em diferentes pontos da Via Láctea. Além disso, analisaram a composição química dessas estrelas gêmeas solares – chamadas assim por terem temperatura, gravidade e composição química superficiais parecidas com as do Sol –, a fim de avaliar a possibilidade de existência de outros planetas rochosos em torno delas.

As análises foram feitas por meio de um espectrógrafo chamado HARPS, instalado no telescópio de 3,6 metros do Observatório de La Silla, do European Southern Observatory (ESO), no Chile. O equipamento registra o espectro eletromagnético de “cores” dos corpos celestes, dos comprimentos de onda mais curtos (ultravioleta) aos mais longos (infravermelho).

As análises indicaram que as estrelas apresentam grande abundância de tório – elemento radioativo com isótopos instáveis que, ao se romper, em razão da instabilidade atômica, se divide em isótopos menores que emitem energia, processo conhecido como decaimento radioativo.

A energia liberada pelo decaimento de isótopos instáveis, tanto de tório como de outros elementos radioativos, como urânio e potássio, dá origem à movimentação de magma (convecção do manto) e à atividade tectônica da Terra. Parte do calor interno do planeta é resquício do calor primordial da formação da Terra, mas pelo menos a metade da energia é devida ao decaimento radioativo.

Dessa forma, as concentrações iniciais desses elementos radioativos em um planeta rochoso contribuem de modo indireto para a habitabilidade em sua superfície, especialmente devido ao longo tempo de decaimento, em escalas de bilhões de anos, explicam os pesquisadores

“As concentrações de tório nas estrelas gêmeas indicam que há uma grande quantidade de energia disponível pelo decaimento desse elemento radioativo para manter a convecção do manto e o tectonismo em potenciais planetas rochosos que possam existir em torno de gêmeas solares”, afirmou Rafael Botelho, doutorando em Astrofísica no Inpe e primeiro autor do estudo.

A abundância inicial de tório nas gêmeas solares foi comparada com as de ferro, silício – um indicador da espessura e massa do manto convectivo em planetas rochosos – e mais dois elementos pesados: o neodímio e o európio. As medidas indicaram que a razão tório-silício em gêmeas do Sol aumenta com o tempo, e que foi maior ou, no mínimo, igual ao valor solar desde a formação do disco da galáxia da Terra.

“Há indícios de que o tório também é abundante em gêmeas solares velhas. Isso significa que o disco da Via Láctea pode estar repleto de vida”, disse André Milone, pesquisador do Inpe e orientador da pesquisa de Botelho.

Fonte: http://ovnihoje.com/2019/03/19/estudo-indica-potencial-de-vida-extraterrestre-na-via-lactea/

Tecnologia geoespacial de última geração vai monitorar mudanças na Amazónia !

Satelite Global Precipitation Measurement (GPM) Core Observatory
Um projeto utilizando imagens de satélite e tecnologia geoespacial de última geração, pretende monitorar quase em tempo real as mudanças ambientais na região da Floresta Amazônica.

O objetivo é avaliar ameaças climáticas e os desastres naturais e com isso contribuir e buscar caminhos para o manejo sustentável dos recursos naturais em toda a Amazônia e também combater o desmatamento descontrolado da região.

NASA e USAID estão no projeto
A Agência Espacial Norte Americana (NASA) e a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) estão no projeto de cinco anos que irá financiar e dar apoio científico e tecnológico ao SERVIR Amazônia, que passará a atuar na região, juntamente com uma rede de parceiros locais e internacionais.

Na prática, o projeto pretende ajudar os governos, instituições, universidades, cientistas e comunidades a usar imagens de satélite, dados geoespaciais e mapas públicos para dar base consistente a decisões rápidas em quatro áreas críticas: seca e incêndio, recursos hídricos e eventos extremos, manejo de ecossistemas, clima e condições meteorológicas.

SERVIR no mundo

O SERVIR Amazônia será um braço do SERVIR (Regional Visulization and Monitoring System), que já atua em pelo menos 40 países no mundo. É ele responsável, por uma enorme coletânea de dados de satélite da NASA.

No sul da Ásia, por exemplo, o SERVIR opera antecipando previsões de inundações no período de 15 dias, integrando dados locais a um modelo global e assim oferecendo informações precisas para os serviços de emergência. A idéia é que o trabalho de precisão seja similar na Amazônia.

Fonte: https://www.apolo11.com/imagens_de_satelite.php?titulo=Tecnologia_geoespacial_de_ultima_geracao_vai_monitorar_mudancas_na_Amazonia&posic=dat_20190318-094031.inc

segunda-feira, 18 de março de 2019

Cientistas de Harvard descobriram o interruptor do DNA que controla a regeneração do corpo inteiro !

Os humanos há muito invejavam os animais capazes de regenerar partes de seus corpos. Braços, pernas, caudas, até pedaços inteiros do organismo. No entanto, apesar de toda a tecnologia e os melhores esforços, os humanos não têm essa capacidade. No entanto, tudo isso pode mudar. A Universidade de Harvard descobriu o interruptor de DNA que controla os genes para a regeneração do corpo inteiro. Isso significa que um dia, os seres humanos podem ser capazes de recuperar membros perdidos!

Regeneração Animal

Muitas pessoas sabem que certos animais são capazes de realizar proezas extraordinárias de reparo, como as salamandras que crescem nas patas traseiras, ou lagartixas que podem lançar suas caudas para escapar de predadores e depois formar novos em apenas dois meses. Não pára por aí também. Os vermes planarianos, as medusas e as anêmonas do mar levam essa regeneração a um nível totalmente novo e podem, na verdade, regenerar seus corpos inteiros depois de serem cortados ao meio.
Como é que isso funciona?

Depois de dedicar muito tempo e esforço à pesquisa de genes e DNA, cientistas da Universidade de Harvard descobriram que, em certos vermes, uma seção de DNA não-codificante ou "lixo" controla a ativação de um gene em particular, apelidado de "gene". gene de controle mestre '. Na verdade, é chamado de resposta de crescimento precoce (EGR), que age como um interruptor de energia, que é o que controla o crescimento e realmente tem a capacidade de ativar ou desativar a regeneração. Dr. Mansi Srivastava, Professor Assistente de Biologia Organizadora e Evolutiva na Universidade de Harvard, disse que a equipe foi capaz de diminuir a atividade do EGR e descobrir que, se você não tem esse gene, nada vai acontecer. Por exemplo, se alguém cortar um braço humano, ele nunca voltará a crescer. No entanto, se você cortou a perna de uma salamandra e a observou,
Dito isso, os animais não podem simplesmente se regenerar espontaneamente. Todos esses genes não ligam, então os outros não funcionam e tudo basicamente simplesmente pára. Os animais testados nestes estudos eram vermes da pantera de três bandas. Ao longo dos estudos, os cientistas descobriram que, durante a regeneração, o DNA compactado em suas células começa a se desdobrar. Isso permite que novas áreas sejam ativadas, daí a capacidade de cultivar novas partes do corpo. Está tudo bem e bem, mas como isso afetou os seres humanos?

Benefício Humano

A parte crucial de toda essa pesquisa é que os humanos também são portadores de EGR. Na verdade, os humanos realmente produzem quando as células estão estressadas e precisam de reparo, por exemplo, quando há uma ferida, digamos um corte, ao longo do tempo, isso se recuperará e as áreas danificadas se regenerarão até voltar ao normal. No entanto, não parece desencadear a regeneração em larga escala, como dedos ou membros perdidos.

Devido a isso, os cientistas agora acham que esse gene mestre é completamente diferente em humanos em comparação com os animais - ele é conectado de maneira diferente. Eles agora estão tentando encontrar uma maneira de ajustar seus circuitos para aproveitar seus benefícios regenerativos. Andrew Gehrke, estudante de pós-doutorado de Harvard, acredita que a resposta está na área do DNA não-codificante que controla o gene. Acredita-se que não-codificação ou DNA de lixo não fazem nada, mas nos últimos anos os cientistas perceberam que está tendo um grande impacto, como o efeito que tem em certos animais, como vermes e salamandras.

Qual é a ciência por trás de tudo isso?
Gehrke disse que apenas cerca de 2% do genoma fabrica proteínas, então o que a equipe queria saber era o que os outros 98% do genoma faziam durante a regeneração de todo o corpo. É provável que eles tenham apenas arranhado a superfície. Os cientistas só observaram algumas dessas mudanças, mas há um outro aspecto de como o genoma está interagindo em maior escala, e tudo isso é importante para ativar e desativar genes. Muito mais pesquisas precisam ser feitas para descobrir mais sobre o genoma e como ele funciona exatamente.

Animais marinhos são considerados mestres de regeneração. Por exemplo, há três anos em 2016, um cientista japonês relatou que três meses após a morte de sua medusa animal de estimação, um pólipo semelhante a uma anêmona subiu da carcaça e surpreendentemente começou a retroceder, voltando a um estado muito mais jovem

Outro exemplo é a partir da década de 1990, quando cientistas na Itália descobriram que a água-viva de Turritopsis dohrnii muda de um bebê para outro. Isto resultou em ele atatracting é apelido, a água-viva imortal.

Talvez com um pouco de ajustes, poderemos regenerar os membros também!

Fonte: http://ufosonline.blogspot.com/

RÚSSIA - Cientistas criam a primeira MAQUINA DO TEMPO !

Não importa se você é um amante de ficção científica ou uma pessoa com uma mente lógica e racional, a possibilidade de viajar através do tempo sempre fascinou a todos. E acredite ou não, há muitos que dizem que os viajantes no tempo realmente existem. No entanto, a teoria da conspiração diz que a maioria dos crononautas (um termo dado aos viajantes do tempo) não são mais que peões em um dos muitos programas secretos do governo.

Mas, fora isso, alguns crononautas experimentaram o que é conhecido como "lapso de tempo", no qual você acidentalmente acessa um determinado momento por um breve momento, enquanto outros nos visitam por um motivo específico. Talvez para pegar um IBM 5100, ou nos avisar dos perigos de Donal Trump . Quaisquer que sejam suas razões, eles estão entre nós e há muitas evidências de sua existência. Mas se você ainda acha que os viajantes no tempo são apenas parte da imaginação de alguns, você pode estar errado. Cientistas russos construíram uma "máquina do tempo" que move pequenas partículas por uma fração de segundo para o passado.

A máquina do tempo Russa

Parece que estamos testemunhando o nascimento da viagem no tempo, já que os cientistas russos construíram o que poderia ser descrito livremente como uma "máquina do tempo" que, embora não seja semelhante a uma nave espaço-temporal da TARDIS de Doctor Who ou O DeLorean de Back to the Future desafiou a segunda lei da termodinâmica, que governa a direção da "flecha do tempo" do passado para o futuro.

Conforme relatado pelo jornal inglês Daily Mail , os experimentos incluíram elétrons, partículas carregadas negativamente que compõem um átomo, que estão no reino da mecânica quântica, o estudo de partículas subatômicas. Para entender o fenômeno, os cientistas fizeram a analogia de um jogo de bilhar , no qual bolas são substitutas de elétrons. O que acontece é que depois de bater as bolas, eles se dispersam no que deveria ser um caminho fortuito, de acordo com as leis da física. No entanto, os pesquisadores conseguiram que eles adquirissem sua ordem original usando um computador quântico especial.

Pesquisadores do Instituto de Física e Tecnologia de Moscou (MIPT) dizem que desafiaram a segunda lei da termodinâmica com o experimento . Esta é uma regra dentro da física que governa a direção dos eventos do passado para o futuro, afirmando que tudo em nosso universo tende a decair. A máquina do tempo é construída a partir de um computador quântico básico, composto de 'côvados'. Essas são unidades de informação descritas por um 'um', um 'zero' ou uma 'sobreposição' mista de ambos, que podem ser armazenados em um elétron.

No experimento, um 'programa de evolução' foi lançado, o que fez com que os cúbitos se tornassem um padrão de mudança crescente de zeros e uns. Durante este processo, a ordem foi perdida, como quando as bolas de bilhar são atingidas e espalhadas com um sinal. Outro programa modificou o estado do computador quântico de tal forma que evoluiu "para trás" , do caos para a ordem. O estado dos cúbitos foi retornado ao seu ponto de partida original. De acordo com o Dr. Gordey Lesovik, que dirige o laboratório de física da informação quântica, parece a um observador externo que o tempo está diminuindo.

"Nós criamos artificialmente um estado que evolui em uma direção oposta àquela da flecha termodinâmica do tempo", disse o Dr. Lesovik.

A "máquina do tempo", descrita na revista científica Scientific Reports , trabalha com apenas dois côvados e o "investimento de tempo" foi alcançado com uma taxa de sucesso de 85% . Quando três cúbitos foram usados, ocorreram mais erros, resultando em uma taxa de sucesso de 50%. Os cientistas acreditam que o experimento poderia ter uma aplicação prática no desenvolvimento de computadores quânticos.

Mas algumas pessoas acreditam que, sem dúvida, cientistas russos conseguiram dar o primeiro passo para a criação de uma máquina do tempo , que permitirá às pessoas viajar no tempo. E talvez isso possa explicar alguns dos mistérios do nosso tempo, como o caso de John Titor , uma pessoa que se diz ser um soldado enviado desde 2036, onde um vírus de computador dizimou a humanidade. Sua missão era retornar ao ano de 1975, a fim de obter um computador IBM 5100, um computador que tinha a capacidade de combater o vírus do futuro. Mas ele decidiu ir para o ano 2000 para poder se ver com três anos de idade, ignorando todas as regras e paradoxos temporais.

Fonte: http://ufosonline.blogspot.com/

80 feridos no Japão depois de uma balsa colidir com uma CRIATURA GIGANTE não identificada no mar !


Passeios de balsa são um dos momentos mais relaxantes do passado e são populares entre turistas e moradores locais. As balsas são uma boa maneira de fugir da corrida diárias, basta sentar em águas abertas e relaxar ao sol. No entanto para uma balsa no Japão sua viagem relaxante foi logo interrompida.

Uma balsa a jato aparentemente atingiu um grande animal marinho ao largo da Ilha de Sado no Mar do Japão no sábado, de acordo com a Guarda Costeira do Japão. Pelo menos oitenta pessoas ficaram feridas e treze dessas pessoas sofreram ferimentos graves, disse a guarda costeira. Por volta das 12: 15 da tarde, a balsa colidiu com um animal marinho não identificado. É relatado no entanto, que esta colisão não impediu que o aerofólio atingisse seu destino na Ilha de Sado, de acordo com a operadora de balsas Sado Steam Ship Co., havia uma rachadura de 15 cm na popa, presumivelmente onde o animal havia atingido.

Nenhum vestígio de qualquer animal foi encontrado
Atualmente, oficiais da guarda costeira estão investigando a causa do incidente. A principal teoria é que o navio pode ter atingido uma baleia ou alguma outra criatura grande disseram eles. O animal exato ainda é desconhecido. A embarcação, que transportava 121 passageiros e quatro tripulantes na época, havia deixado o porto de Niigata às 11: 30h. Chegou ao porto de Ryotsu por volta das 13h30, pouco mais de uma hora após a colisão.

Os passageiros são instruídos pelos membros da tripulação a usar cintos de segurança antes da partida, bem como quando a embarcação estiver navegando, para minimizar o risco de ferimentos, especialmente em casos como este. Um dos passageiros disse aos repórteres como eles ouviram o som da colisão - um estrondo e então sua garganta atingiu o assento na frente quando eles foram empurrados para frente. Outros passageiros também gemiam de dor. O barco é impulsionado por um jato de alta pressão da água do mar e pode viajar a 80 km / h, o que significa que ele pode conectar os portos de Niigata e Ryotsu em cerca de uma hora. Suas asas hidrodinâmicas também foram danificadas na colisão, diminuindo a velocidade. A jornada inteira levou cerca de duas horas em vez de uma.

Três anos atrás, uma lula gigante foi flagrada nadando calmamente nas águas rasas de uma marina na prefeitura de Toyama, ao sul de Nigata, onde ocorreu a última colisão de balsas.Uma coisa na mente de todos é o que é? Teria que ser muito grande para causar tanto dano a um barco tão grande. Enquanto muitos dizem que é uma baleia, eu não estou comprando esta ideia. Ninguém sabe que mal se esconde sob a superfície no oceano profundo ...

Fonte: http://ufosonline.blogspot.com/

terça-feira, 12 de março de 2019

Elixir da imortalidade encontrado em túmulo da dinastia imperial chinesa !

Arqueólogos da província de Henan, no centro da China, encontraram o famoso “elixir da imortalidade” descrito na antiga literatura taoísta, informou a agência de notícias Xinhua.

Cerca de 3,5 litros do líquido foram encontrados num pote de bronze escavado de um túmulo da dinastia Han ocidental na cidade de Luoyang em outubro passado.

Os investigadores pensaram que se tratava de licor, já que a substância emitia um forte odor de álcool. Análises de laboratório, porém, permitiram determinar que o líquido é feito de nitrato de potássio e alunita, que são ingredientes-chave de um elixir da vida descritos num antigo texto taoísta, segundo o principal arqueólogo do projeto de escavação, Pan Fusheng.

“É a primeira vez que os medicamentos de imortalidade míticos são encontrados na China. O líquido é de valor significativo para o estudo dos antigos pensamentos chineses sobre alcançar a imortalidade e a evolução da civilização chinesa”, afirmou o diretor do Instituto de Relíquias Culturais e Arqueologia de Luoyang, Shi Jiazhen, citado pela Xinhua.

Além disso, os investigadores descobriram um grande número de utensílios de jade, potes de barro pintados e artefactos de bronze na sepultura dos nobres, que mede cerca de 210 metros quadrados. “O túmulo fornece material valioso para o estudo da vida dos nobres Han ocidentais, bem como os rituais fúnebres e costumes do período”, disse Pan.

Muitos imperadores chineses perseguiram a vida eterna: Qin Shi Huang, o primeiro imperador de uma China unificada, estava tão desesperado nos seus esforços para enganar a morte que construiu um enorme mausoléu subterrâneo para os mundialmente famosos soldados de terracota, que deveriam protegê-lo na vida após a morte.

Como que uma reviravolta do destino, o imperador morreu apenas 49 anos de idade — presumivelmente por envenenamento ao beber um elixir alquímico.

Fonte: http://ufosonline.blogspot.com/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...